A maioria dos pais sonha com um lar harmonioso e pacifico, onde os filhos sem amam mutuamente, vibrem por terem um companheiro de brincadeiras e adoram a eterna companhia uns dos outros e esquecem que a rivalidade entre irmãos é inevitável. A única forma de impedi-la é ter apenas um filho.

Se os pais não conseguem abrir mão das expectativas de que os filhos sempre vão se dar bem, vão sempre ficar frustrados com os dilemas diários entre os irmãos.

Muitas vezes, quando os pais tentam eliminar a rivalidade, tomam o partido e acusam uma das crianças de terem começado. Dessa forma, fica estabelecido que uma criança esteja certa e outra errada, ou mesmo entre um “vencedor” e “perdedor”, que só serve para alimentar as brigas, afinal, quem perdeu desta vez tem de vencer na próxima.

Ao tentar descobrir “quem foi o culpado”, geralmente não percebem que essa postura só aumenta a rivalidade natural entre os filhos e prepara a arena para a próxima luta.

Depois de ter aceito o fato de que os irmãos terão ciúme uns dos outros, competirão pela atenção dos pais e lutarão invariavelmente há algumas estratégias que podem ser utilizadas. A primeira delas é tomar consciência dos motivos que se repetem, para isso os pais precisam assumir uma postura de observação e neutralidade, já parou para observar se as crianças brigam mais na presença dos pais? Ou não? Quais os reais motivos?

Depois disso, é importante que os pais estabeleçam uma postura de permitir que as crianças consigam resolver os seus próprios conflitos; ás vezes, é importante que os pais interfiram quando estão se machucando fisicamente, por exemplo. Mas na maioria das vezes, as crianças, tem a capacidade de dialogar e encontrar uma possível resolução para o conflito.

Mas, o que considero mais importante é que os pais não façam intervenções a fim de tomarem partido de um dos filhos, pois isso intensifica muito a hostilidade entre eles. Os pais podem lembrar que ambos quebraram as regras, ou mesmo perguntar o que podiam ter feito diferente, ou ainda questionar como podem resolver a situação.

Na maioria das vezes, quando as crianças encontram um adulto que é capaz de mostrar que não há quem ganhou x perdeu, e sim, que podem encontrar uma solução juntos.

* Texto publicado originalmente no blog do Descobrindo Crianças: A infância sob o olhar da Psicologia